IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Viver no sertão é conviver com o Clima

Formulário de Busca

Siga-nos:



Notícias

A pandemia e o trabalho infantil: quando aumenta a pobreza, a exploração acontece

A pandemia e o trabalho infantil: quando aumenta a pobreza, a exploração acontece

Apesar de estarmos em pleno século 21, ainda é necessário lutar contra o trabalho infantil, algo que já deveríamos ter superado. Por isso, o dia 12 de junho foi instituído pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) em 2002, como Dia Nacional e Internacional de Combate ao Trabalho Infantil, visando sensibilizar, informar e destacar o combate à violação dos direitos de crianças e adolescentes.

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua - Trabalho das Crianças e Adolescentes - divulgada em dezembro de 2020, o Brasil tinha em 2019, cerca de 1,8 milhão de crianças e adolescentes com idades entre 5 e 17 anos que estavam em situação de trabalho infantil. Se for considerado que o período de pesquisa não estava no cenário de pandemia, estes números são mais assustadores agora.

A situação e normalização do trabalho infantil tem ainda sua origem no modelo escravocrata em que o país foi constituído, onde crianças também eram obrigadas a trabalhar e desenvolver atividades braçais degradantes, para que tivessem o direito à comida. E neste modelo, muitas famílias pobres foram obrigadas a envolver e naturalizar o trabalho infantil, argumentando a necessidade das mesmas contribuírem no sustento da família. Atrelada a essa necessidade, surge o interesse de muitos exploradores (empresas e pessoas) em obter mão de obra barata e sem encargos sociais que seria necessário para uma pessoa adulta.

De acordo com a Lista das Piores Formas de Trabalho Infantil, as atividades onde mais acontece a exploração do trabalho infantil são: operação de tratores e máquinas agrícolas, trabalho em pedreiras, produção de carvão vegetal, construção civil, coleta, seleção e beneficiamento de lixo, comércio ambulante, trabalho doméstico e o transporte de cargas.

Em Juazeiro, a maioria das denúncias de trabalho infantil que chega ao Conselho Tutelar, é através do Disque 100, um serviço de denúncias e proteção contra violações de direitos humanos que funciona 24 horas.

O Conselho Tutelar instrui as famílias e as insere em programas sociais quando necessário, pois geralmente as famílias são pobres e justificam o trabalho infantil alegando a importância dessa renda para a família. “As famílias alegam muito que é pra ajudar na renda mesmo, também vem aquele discurso, é melhor tá trabalhando do que fazendo coisa errada. A gente explica que não é só por conta do trabalho, porque ali, ela (a criança) está vulnerável a outras situações”, ressalta o conselheiro tutelar de Juazeiro, Charles Vargas.

Para combater o trabalho infantil, a educação aliada às ações sociais é fundamental. Nesse sentido, o município de Curaçá-BA, realiza campanhas educativas através de projetos sociais, como fala a assistente social de Curaçá, Elzeni Rodrigues, “(...) esse projeto com o tema “Um olhar especial para proteger crianças e adolescentes” no município, executado na sede e no interior, através de campanhas educativas, informativas é (...) estendido para a família e a comunidade”. Essa ação desenvolvida na zona urbana e rural mostra a importância de educar e conscientizar todas as pessoas que o trabalho infantil é ilegal e prejudica o desenvolvimento da criança e do adolescente.

A assistente social também frisa que durante a pandemia os casos de trabalho e exploração infantil aumentaram muito e pesquisas estão sendo realizadas através das redes de garantia de direitos para quantificar os casos. Podemos considerar que esse aumento tem raiz na crescente desigualdade, onde milhões de brasileiros e brasileiras foram empurrados para a pobreza, inclusive em situação de restrição alimentar e fome. Nesse cenário, crianças e adolescentes entram na luta pela sobrevivência.

Da mesma forma, Charles Vargas afirma que “Na pandemia essa situação (trabalho infantil) piorou, porque a escola é uma forma de controle social, no sentido de que, muita gente usa a escola como depósito de criança, isso é fato. As crianças só comiam porque estavam na escola e faziam suas refeições (...) E com a pandemia (...) as crianças ficam em casa. Os pais precisam trabalhar e acabam colocando elas para trabalhar também ou levam para o serviço”.

Nesse sentido, a presidenta do Núcleo de Arte e Educação Nego D'água (Naenda), Monalisa de Souza, afirma que “Com a adversidade da pandemia, tivemos que suspender nossas atividades e avistamos algumas de nossas crianças acompanhando seus familiares na reciclagem do lixo, pois estão fora da escola e do projeto”.

O Naenda realiza oficinas de arte educação para crianças, adolescentes e jovens do bairro Quidé e entorno como forma de combater o trabalho infantil, pois muitas famílias levam os filhos para catação e reciclagem de lixo. Monalisa reflete que a dinâmica do trabalho infantil é difícil de ser enfrentada, pois é um círculo vicioso. E destaca que “As políticas públicas voltadas ao combate do trabalho infantil estão sendo enfraquecidas e as organizações da sociedade civil tem tido pouco/ou nenhum apoio do poder público para dar continuidade aos trabalhos”.

Assim, para combater o trabalho e exploração infantil é necessário criar e fortalecer políticas públicas que diminuam as desigualdades sociais, desenvolver ações de educação, principalmente com estruturação das escolas, investimentos, programas socioeducativos e fiscalização contra o trabalho infantil, punindo principalmente empresas e grupos que exploram e se beneficiam desta mão de obra. Além de realizar ações educativas voltadas a toda a sociedade, sensibilizando que os danos desta exploração não prejudicam só o presente e o futuro das crianças e dos adolescentes, mas de todo o país.


Texto: eixo Educação e Comunicação
Foto: Arquivo da internet
 


Veja também

< voltar    < principal    < outras notícias

Página:

A pandemia e o trabalho infantil: quando aumenta a pobreza, a exploração acontece

Para:


Suas informações:



(500 caracteres no máximo) * Preenchimento obrigatório




Campanhas

Newsletters

Cadastre seu e-mail para receber notícias.

Formulário de Contato





Faça sua doação


Copyright © 2005 - 2009 IRPAA.ORG Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA
Avenida das Nações nº 04 - 48905-531 Juazeiro - Bahia, Brasil
Tel.: 0055-74-3611-6481 - Fax.: 0055-74-3611-5385 - E-mail: irpaa@irpaa.org - CNPJ 63.094.346/0001-16
Utilidade Pública Federal, Portaria 1531/06 - DOU 15/09/2006 Utilidade Pública Estadual, Lei nº7429/99
Utilidade Pública Municipal, Lei nº 1,383/94 Registro no CNAS nº R040/2005 - DOU 22/03/2005