IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Viver no sertão é conviver com o Clima

Formulário de Busca

Produção Apropriada

A diversidade natural do Semiárido brasileiro comporta práticas de manejo do território marcadas por relações sociais "arcaicas" e "modernas", includentes e excludentes; por atividades econômicas tradicionais, de pouca inserção no mercado, com baixo uso de tecnologia, em contraste com setores com tecnologia de ponta que utilizam dentre outras, a agricultura irrigada. Em ambas as situações, há consequências ambientais graves. Comporta, antes de tudo, uma forte concentração de terras e estrutura sócio política altamente paternalista.

A concentração de terras e de água tem sido um dos principais limitadores do desenvolvimento da agricultura familiar no Semiárido. Além de faltar uma política de crédito e acompanhamento técnico continuado voltado para atender às reais necessidades da população rural, desde aquela que vive e desenvolve sistemas de produção agrícola ou pecuário em áreas de sequeiro, àquela que desenvolve cultivos para auto sustento em pequenas áreas irrigadas.

A falta de terra em tamanho apropriado, as práticas de produção não apropriadas à região, o alto custo da produção, a baixa qualidade e o não beneficiamento dos produtos, a fragilidade nas organizações dos trabalhadores e trabalhadoras familiares, restringem os canais de comercialização, trazendo um baixo retorno econômico e levando ao empobrecimento da população rural.

Em climas semiáridos de todo o mundo, os povos tradicionais e nativos perceberam que o cultivo de plantas de ciclo curto não é a estratégia mais segura, visto que a irregularidade das chuvas e a alta taxa de evapotranspiração são impedimentos naturais que causam grandes perdas de safras.

A criação de animais, principalmente cabras e ovelhas, e o extrativismo tem se mostrado as estratégias mais acertadas para a agricultura familiar e tradicional das zonas semiáridas. A vegetação da Caatinga é por natureza um imenso pasto nativo com grande abundancia de plantas forrageiras e melíferas, principalmente quando em terras abertas, soltas, sem cercas. O extrativismo de frutas e fibras tem se mostrado uma atividade promissora desde tempos antigos e nos dias atuais se intensifica com o beneficiamento e comercialização de vários alimentos e produtos exclusivos da Caatinga.

O extrativismo e a pecuária no Semiárido são sustentáveis quando praticados em áreas abertas e comunitárias, exemplo encontrado nas Comunidades Tradicionais de Fundo e Fecho de Pasto, Quilombolas, Indígenas, dentre outros.

Compreender os limites, os desafios e as potencialidades do Semiárido e do Bioma Caatinga são fundamentais para o desenvolvimento de uma agropecuária familiar agroecológica nesta região, garantido a permanência das populações no campo com terra em tamanho apropriado e com territórios tradicionais assegurados a estas populações, contribuindo para a manutenção da Caatinga em pé.
 

Notícias


Resultados: 40 de 764



Campanhas

Newsletters

Cadastre seu e-mail para receber notícias.

Formulário de Contato





Faça sua doação


Copyright © 2005 - 2009 IRPAA.ORG Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA
Avenida das Nações nº 04 - 48905-531 Juazeiro - Bahia, Brasil
Tel.: 0055-74-3611-6481 - Fax.: 0055-74-3611-5385 - E-mail: irpaa@irpaa.org - CNPJ 63.094.346/0001-16
Utilidade Pública Federal, Portaria 1531/06 - DOU 15/09/2006 Utilidade Pública Estadual, Lei nº7429/99
Utilidade Pública Municipal, Lei nº 1,383/94 Registro no CNAS nº R040/2005 - DOU 22/03/2005