IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Viver no sertão é conviver com o Clima

Formulário de Busca

Siga-nos:



Notícias

ASA 20 anos: ciência, tecnologia e inovação no Semiárido Brasileiro

ASA 20 anos: ciência, tecnologia e inovação no Semiárido Brasileiro

Os conhecimentos das famílias agricultoras em diálogo com a Embrapa, academia, institutos de pesquisa, acadêmicos e estudantes, e a sistematização da realidade frente às perspectivas e desafios na realização das atividades e pesquisa em ciência, tecnologias e inovações no Semiárido brasileiro, foram os pontos estruturantes do Seminário Ciência, Tecnologia e Inovação no Semiárido Brasileiro realizado na última sexta- feira (22), em Petrolina, realizado pela Articulação Semiárido Brasileiro, ASA, como parte das celebrações dos 20 anos da sua trajetória. O evento fez parte da programação da oitava edição da Feira Semiárido Show, que movimentou o Sertão pernambucano, dos dias 19 a 22 de novembro.

Coordenado por Alexandre Pires, que compõe a coordenação executiva da ASA, o seminário contou com a participação da agricultora familiar, Ana Lúcia, da professora da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Rebeca Mascarenhas, do diretor da Embrapa Semiárido, Pedro Gama e do do deputado Federal, Gonzaga Patriota, representando a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Convivência com o Semiárido.

No intuito de permitir uma ampla troca de saberes das iniciativas em desenvolvimento - e quais os passos são necessários para manter e ampliar tais iniciativas em diálogo com o conhecimento e demandas das famílias agricultoras, o seminários despertou interesse de pesquisadores e pesquisadoras, estudantes e muitos/as jovens agricultores/as, que lotaram a sala Mandacaru durante toda a manhã da sexta-feira. A presença desses/as jovens foi celebrada pelo deputado Federal Gonzaga Patriota, que destacou a importância da juventude do campo, dos Institutos Federais e academia para o desenvolvimento da região.

Alexandre Pires, da ASA, analisou como oportuna a presença de pesquisadores e jovens estudantes neste seminário, “É fundamental que, o que esses/as estudantes e jovens pesquisadores/as, na maioria agricultores/as ou filho de agricultores/as, desenvolvem, seja para carreira acadêmica ou para desenvolver algum trabalho nas propriedades rurais, que essas pesquisas e estudos estejam comprometidos com essa realidade, com a realidade da construção da convivência com o semiárido”, pontuou.

A pesquisa e a inovação no Semiárido exigem a observação da realidade e partir das características socioeconômicas, culturais, entre outras; das condições climáticas; das necessidades urgentes da população, dos limites temporais; das suas singularidades, e, principalmente, das potencialidades dos agricultores e agricultoras familiares, como fundamentais para o desenvolvimento da região .

Rebeca Mascarenhas, professora de Ciências Biológicas da Univasf, trabalha com o conhecimento tradicional, como ele pode contribuir com as pesquisas acadêmicas e com o avanço da sociedade e destaca o papel dos saberes das mulheres na convivência com o Semiárido. “As mulheres são importantes e autoras fundamentais na dinâmica da convivência e também na salvaguarda do conhecimento tradicional e da manutenção da biodiversidade”, nos fala Rebeca em entrevista.

O grande desafio para as instituições de pesquisa, academia e ongs é como contribuir para o desenvolvimento do Semiárido brasileiro, considerando sua diversidade estrutural e natural, diante os cenários que colocam em risco a produção agropecuária e a base de recursos naturais, e impedem a inclusão econômica e social de grande parte da população rural.

A agricultora Ana Lúcia, da comunidade de Lagoa do Meio, em Juazeiro da Bahia, reconhece a importância da pesquisa e das inovaçõe para a melhoria do meio rural e a convivência com Semiárido, “A gente já percebe o resultado de algumas tecnologias e inovações, de muitas pesquisas, principalmente para que agricultores e as famílias do campo tenham como permanecer nas suas propriedades, que os jovens continuem e queiram viver no campo. Precisamos de políticas públicas que assegurem às famílias e aos jovens no campo, para que mantê-los e que não tenhamos mais o êxodo rural, essas pesquisas e as políticas públicas é importante pra gente neste sentido”, aponta Ana Lúcia.


As tecnologias e inovações para serem bem sucedidas precisam cumprir um rito de diálogo entre os sujeitos que atuam no Semiárido, e também uma ação do poder executivo no fortalecimento das iniciativas já em curso na região e na garantia e ampliação de recursos públicos para o funcionamento das instituições de pesquisa. Requer ainda das casas legislativas a criação e atualização de marcos regulatórios favoráveis ao desenvolvimento de pesquisas, tecnologias e a inovações no Semiárido.

O diretor da Embrapa Semiárido, Pedro Gama destacou a importância das iniciativas queestão em curso na região para o desenvolvimento da agricultura e agropecuária na região. “Se você perguntar as pessoas mais velhas como era antes, elas irão te falar das dificuldades, hoje já vemos outras realidade, é só olhar para o nosso fundo de pasto, o que já construímos, nós tivemos por exemplo, um processo de reestruturação produtiva interessante, com algumas atividades tradicionais, estamos vendo ressurgir caprinocultura, a valorização da avicultura, da criação da galinha caipira tradicional e da apicultura, como foco inclusive para a preservação da nossa caatinga, da nossa biodiversidade. Mas ainda é preciso mais, precisamos manter os jovens no campo, fazê-lo atrativo, e isso é com investimento, tecnologias e iniciativas, para contribuir com o desenvolvimento do Semiárido”, enfatiza.

O seminário foi um momento de troca de saberes e debate sobre a convivência com a região e o futuro da produção agropastoril na região entre agricultores e agricultoras, ONGs, estudantes, pesquisadores, institutos de pesquisa e universidades.

Recaatingamento - Para contribuir com o debate do Seminário, o Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA, organização baiana que faz parte da ASA, fez o pré - lançamento da publicação Experiências de Recaatigamento no Semiárido Brasileiro, sistematização de diversas experiências populares de recaatingamento, com base agroecológica e com enfoque na convivência com o Semiárido. A cartilha é uma ação do projeto Bem Diverso do IRPAA e parceria com a Embrapa, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), com recursos do Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF).

Semiárido Show - Com o tema "Inovações e Dinâmicas de Desenvolvimento Regional", a oitava edição da Feira Semiárido Show reuniu, dos dias 19 a 22 de novembro, agricultores, estudantes, ONGs e agentes de assistência técnica e extensão rural de todos os estados que compõem a região semiárida. A feira ocupou uma área de aproximadamente 20 hectares da Embrapa Semiárido, na zona rural de Petrolina, no sertão de Pernambuco, com estandes institucionais e exposição produtores da região.

 

 

Texto: Rosa Sampaio - ASACOM 

Foto: Comunicação Irpaa


Veja também

< voltar    < principal    < outras notícias

Página:

ASA 20 anos: ciência, tecnologia e inovação no Semiárido Brasileiro

Para:


Suas informações:



(500 caracteres no máximo) * Preenchimento obrigatório




Campanhas

Newsletters

Cadastre seu e-mail para receber notícias.

Formulário de Contato





Faça sua doação


Copyright © 2005 - 2009 IRPAA.ORG Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA
Avenida das Nações nº 04 - 48905-531 Juazeiro - Bahia, Brasil
Tel.: 0055-74-3611-6481 - Fax.: 0055-74-3611-5385 - E-mail: irpaa@irpaa.org - CNPJ 63.094.346/0001-16
Utilidade Pública Federal, Portaria 1531/06 - DOU 15/09/2006 Utilidade Pública Estadual, Lei nº7429/99
Utilidade Pública Municipal, Lei nº 1,383/94 Registro no CNAS nº R040/2005 - DOU 22/03/2005