IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Viver no sertão é conviver com o Clima

Formulário de Busca

Siga-nos:



Notícias

Agricultor baiano estocou água e alimento e está produzindo apesar da estiagem

Agricultor baiano estocou água e alimento e está produzindo apesar da estiagem

Mesmo diante de uma das mais longas estiagens dos últimos 30 anos, o agricultor baiano Abelmanto de Oliveira mostra que com boas ideias e coragem é possível conviver com a seca, criando animais adaptados ao clima Semiárido

No ano de 2007, o agricultor baiano Abelmanto Carneiro de Oliveira viajou ao Ceará para participar de um encontro de agricultores. Foi lá que ouviu dizer que os anos de 2011 e 2012 seriam de estiagem braba, difíceis para as populações que habitam o Semiárido brasileiro. O recado serviu como um alerta de tsunami para quem vive em regiões suscetíveis a este tipo de fenômeno da natureza. Contrário à onda gigante que varre cidades inteiras, o Semiárido foi varrido pela falta de chuvas. Porém, a seca que é evidenciada como uma das piores dos últimos 30 anos, não afligiu tanto assim Abelmanto. Dotado de conhecimento e tecnologias sociais de convivência com a região, o agricultor garantiu estocagem de água e alimentos para os animais e consumo próprio.

A atitude de Abelmanto comprova o quanto é possível se preparar para os períodos de estiagem, investindo na estocagem. Ele conta que na comunidade de Mucambo, no município de Riachão do Jacuípe, na Bahia, no ano de 2010, choveu 56 milímetros. Muito pouco para uma região onde se espera chover cerca de 800 milímetros por ano. Hoje, ele tem na propriedade de 10 hectares as tecnologias cisterna-calçadão, cisterna de consumo humano, barreiro comum, barraginha sucessiva, barragem subterrânea e barreiro trincheira. “Consigo armazenar 1,868 milhão de litros de água. Essa água serve para manter por oito meses o consumo de 55 cabeças de animais (caprinos e ovinos) e a produção, e por quatro meses o consumo próprio”, conta.

Só para manter os animais são necessários cinco mil litros de água. Quando perguntado sobre o gado em suas terras, Abelmanto diz ter optado por manter o que dá para criar na região. “A convivência é assim: tem que tirar o que não dá e manter o que tem. Tenho animais pequenos que estão dando para o leite e para comer”. A criação está sendo alimentada com o estoque de palma, feno e mandacaru.

Abelmanto também criou um sistema de produção de biogás, o chamado biodigestor. Com a junção de esterco dos animais e do bagaço da cana, passou a produzir biofertilizante e também a transformar os insumos em gás. Desde agosto, não precisa mais se preocupar com gás para cozinhar os alimentos que vão para a mesa da família.

“Estou tentando passar isso para as outras famílias. Minha casa se tornou um centro de aprendizagem. Aqui damos aulas práticas de campo com crianças e adolescentes. Hoje suspendi por causa das dificuldades da seca”, revela. Quando questionado sobre o que os agricultores/as e povos do Semiárido devem fazer para conviver com os períodos de longa estiagem, ele diz: “o primeiro passo a dar é ir em busca do conhecimento, que vale tudo, [com ele] você consegue qualquer coisa. Depois, é estocar água e alimentos para esse período. Quando você acredita, arregaça as mangas, dá certo. Digo que se é capaz quando se quer”, conclui.

O pensamento do agricultor é reforçado pela coordenadora executiva da ASA, Valquíria Lima, que diz que a convivência com o Semiárido esta intimamente ligada a capacidade de estocar: água, alimentos, sementes e conhecimentos. Assim, é possível estimular um novo olhar sobre a convivência que tenha na cultura da estocagem a base para o desenvolvimento das ações.

“Estocar água para o consumo humano, para a produção de alimentos da família e dos animais e estocar conhecimentos. E aprender a poupar. No Semiárido precisamos poupar água que é a base de tudo. Por isso, nosso incentivo aos intercâmbios de experiências, as vivências e os aprendizados que são coletivos e individuais. A convivência com o Semiárido passa por uma nova forma de olhar a realidade, interpretá-la, conhecê-la e ir experimentando a diversidade e fortalecendo a cultura de estocagem no Semiárido brasileiro”, avaliou.

Comunidade se fortalece na seca – Desde o início desta estiagem, as famílias de Mucambo se fortaleceram em grupo e conquistaram benefícios para a comunidade. Foi através da Associação Comunitária de Mucambo que veio a parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR). A articulação e força da comunidade deram a oportunidade para quatro famílias produzirem bolos, doces, almoços e lanches a partir de produtos da agricultura familiar. Durante seis meses de trabalho, serão fornecidas 2.400 quentinhas de almoços (cada quentinha será vendida por R$ 7,95) e lanches (cada um a R$ 1,95) para os cursos desenvolvidos pelo SENAR na região. O lucro garantirá o sustento das famílias em tempos de estiagem.

A Associação também já conquistou outros benefícios como aquisição de trator, cisternas, bombas e barreiro trincheira, além de eletricidade para 66 famílias. O salto adiante é para se constituir como uma cooperativa, passar a emitir nota fiscal e construir uma sede própria. “Estamos otimistas, pois somos capazes de produzir e comercializar. Hoje eu sou um articulador da comunidade, pelo conhecimento que adquiri. Aqui ainda existe a cultura de não fazer estoque. Mas eu sempre digo: gente, o caminho é esse. Comecei a fazer algo para dizer que isso é possível. É possível viver com simplicidade na nossa região”, conta orgulhoso Abelmanto.

Texto: Ylka Oliveira - Asacom

Título Original: Alertado em 2007 sobre a seca, agricultor estocou alimento e água e se mantém produtivo

Foto disponível no Blog de Abelmanto


Veja também

< voltar    < principal    < outras notícias

Página:

Agricultor baiano estocou água e alimento e está produzindo apesar da estiagem

Para:


Suas informações:



(500 caracteres no máximo) * Preenchimento obrigatório




Campanhas

Newsletters

Cadastre seu e-mail para receber notícias.

Formulário de Contato





Faça sua doação


Copyright © 2005 - 2009 IRPAA.ORG Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA
Avenida das Nações nº 04 - 48905-531 Juazeiro - Bahia, Brasil
Tel.: 0055-74-3611-6481 - Fax.: 0055-74-3611-5385 - E-mail: irpaa@irpaa.org - CNPJ 63.094.346/0001-16
Utilidade Pública Federal, Portaria 1531/06 - DOU 15/09/2006 Utilidade Pública Estadual, Lei nº7429/99
Utilidade Pública Municipal, Lei nº 1,383/94 Registro no CNAS nº R040/2005 - DOU 22/03/2005