IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Viver no sertão é conviver com o Clima

Formulário de Busca

Siga-nos:



Notícias

Faveleira: importante forrageira da caatinga

Faveleira: importante forrageira da caatinga

As folhas com espinhos urticantes não denunciam de imediato seu potencial forrageiro. Mas a favela é uma forragem rica e de fácil digestão, chegando a conter 18,5% de proteína bruta, 23,3% de amido e 2,1% de cálcio, segundo estudos Centro de Pesquisas Agropecuária Trópico Semi-Árido e do Instituto de Pesquisa Agropecuária – IPA.

Na caatinga, os animais sabem utilizar a faveleira na hora certa. Quando as folhas da planta secam e caem no chão deixam de ser urticantes, servindo então de alimentos para caprinos, ovinos e suínos. Este tipo de vegetação, cujo nome científico é Cnidoscolus phyllacanthus é resistente à seca e se desenvolve em solos rasos e pedregosos.

Os técnicos da Embrapa, Nilton de Brito Cavalcanti e Geraldo Milanez Resende, comprovaram o consumo desta espécie pelos animais no período da seca, a partir de levantamento realizado em três comunidades do município de Curaçá – BA. A pesquisa, realizada no período de setembro a outubro de 2005, identificou que "os animais ramoneiam a favela no período entre as 8 e 10 horas da manhã, consumindo, principalmente os brotos e a casca”. O relatório comprova, portanto, a importância desta espécie para a caprinovicultura no Semiárido. “Os agricultores informaram que no período de maio a julho quando as folhas maduras da faveleira caem os animais dão preferência a este tipo de alimentos", detalha o relatório da pesquisa.

Ação humana na utilização da faveleira

Além de ser consumida de forma natural, as ramas e cascas servem para fazer feno e as sementes podem ser usadas para alimentar animais silvestres e domésticos. Sua fenologia indica o mês de janeiro como período do início da floração e fevereiro de frutificação.

Segundo estudos acerca do potencial desta espécie nativa da caatinga, a semente fornece um óleo comestível nutritivo e saboroso que contém 46% de proteínas, enquanto o óleo de oliva contém apenas 14%. A torta, subproduto da extração de óleo, é uma formidável ração, com cerca de 66% de proteínas, superando 46% contidos no farelo de soja, também usado na alimentação animal.

Replantio de faveleiras em áreas de Fundo de Pasto

Cientes da importância desta espécie, a equipe técnica do Irpaa incluiu a faveleira como uma das espécies nativas a serem replantadas nas comunidades envolvidas no Projeto Recaatingamento que é desenvolvido em setes municípios da região Norte da Bahia.

O projeto, além do plantio em conjunto com a comunidade, realiza também formações que orientam as/os produtores a cultivarem e fazerem o manejo correto da planta, extraindo de forma sustentável todos os elementos que ela oferece e que contribuem com a caprinovinocultura no Semiárido.

Em Curaçá, a pesquisa da Embrapa identificou uma variação de 12 a 68 plantas/ha na área observada, mostrando que é uma espécie de fato adaptada a região.  Em  algumas comunidades envolvidas no Recaatingamento também está sendo feito replantio da espécie. Na comunidade de Fartura, em Sento Sé, as mudas foram cultivadas no viveiro construído através do projeto e agora estão plantadas em área coletiva cedida pelos/as moradores/as.
 

Foto: Divulgação


Veja também

< voltar    < principal    < outras notícias

Página:

Faveleira: importante forrageira da caatinga

Para:


Suas informações:



(500 caracteres no máximo) * Preenchimento obrigatório




Campanhas

Newsletters

Cadastre seu e-mail para receber notícias.

Formulário de Contato





Faça sua doação


Copyright © 2005 - 2009 IRPAA.ORG Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA
Avenida das Nações nº 04 - 48905-531 Juazeiro - Bahia, Brasil
Tel.: 0055-74-3611-6481 - Fax.: 0055-74-3611-5385 - E-mail: irpaa@irpaa.org - CNPJ 63.094.346/0001-16
Utilidade Pública Federal, Portaria 1531/06 - DOU 15/09/2006 Utilidade Pública Estadual, Lei nº7429/99
Utilidade Pública Municipal, Lei nº 1,383/94 Registro no CNAS nº R040/2005 - DOU 22/03/2005