IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Viver no sertão é conviver com o Clima

Formulário de Busca

Siga-nos:



Notícias

Projeto agroecológico realiza diagnóstico comunitário participativo em comunidades rurais

Projeto agroecológico realiza diagnóstico comunitário participativo em comunidades rurais

Obter dados socioeconômicos e culturais das comunidades é o objetivo do Diagnóstico Comunitário Participativo, uma das etapas do Ater Agroecologia, que está sendo realizada em 24 comunidades que integram o projeto nos municípios de Uauá, Curaçá, Casa Nova, Pilão Arcado, Juazeiro e Remanso, acompanhadas pelo Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada (Irpaa). Com o diagnóstico é possível obter informações para identificar as potencialidades e os desafios que precisam ser superados pela comunidade junto ao projeto Ater Agroecologia.

Os agricultores e agricultoras tiveram papel fundamental neste processo, pois foram instigados a refletir sobre sua história, problemas e as possibilidades para solucioná-los, através das quatro ferramentas aplicadas. Foram elas: Linha do tempo e Mapa da comunidade, Diagrama de Venn e Matriz FOFA.

A construção da linha do tempo possibilita um resgate da história, a partir dos acontecimentos marcantes da comunidade, o que se faz de extrema importância para pensar ações futuras para a localidade. Sobre este momento, a agricultora, Evanice Souza Reis, da comunidade Salina do Amaro, em Casa Nova-BA, destaca a importância do resgate histórico da localidade. “O resgate da memória da comunidade foi muito interessante, porque eu tive conhecimento de coisas que eu nem sabia, mesmo sendo daqui, então foi um momento muito bom e muito proveitoso”.

A jovem agricultora, Clesiane Alves Moura, da comunidade Lagoa dos Cavalos, em Remanso-BA, afirma que para ela, o momento mais importante do diagnóstico comunitário foi também a linha do tempo. “Para mim foi uma informação excelente porque eu não sabia como tinha surgido realmente a nossa comunidade (...) eu nunca tive a oportunidade de alguém me contar toda a história e foi relatado aqui”, expõe Clesiane.

Também foi produzido o mapa da comunidade, um desenho feito pelos agricultores e agricultoras considerando todos os elementos físicos existentes: plantações, prédios comunitários, relevos, tecnologias de água, dentre outros. “A gente nunca tinha feito o mapa da comunidade, foi uma coisa muito gratificante, porque a gente foi vendo pontos que muitas vezes a gente só passava, e hoje a gente tava vendo detalhes. Uma experiência muito boa. É uma memória que a gente vai passar adiante, pros filhos da gente, e para os filhos deles”, diz a agricultora, Rosangela Miranda Costa, da comunidade Sítio Pé do Morro, em Casa Nova-BA.

Sobre esses momentos, a colaboradora do Irpaa, Maria de Fátima destaca que “O pessoal conseguiu trazer muitas questões. Na parte na linha do tempo fizeram o resgate histórico, foi muito bom, todo mundo participou. No mapa da comunidade, o pessoal também se entusiasmou muito de tá ali, colocando na sua propriedade a representação produtiva do que tem”.

Já o diagrama de Venn identificou e caracterizou as relações da comunidade com instituições e grupos existentes, destacando a importância das interações. Além disso, foi trabalhada nas comunidades a Matriz FOFA, onde os agricultores e agricultoras auto avaliaram suas fortalezas, oportunidades, fraquezas e ameaças, possibilitando entendimento dos fatores internos e externos da comunidade. Nesse sentido, a agricultora, Nilcélia da Costa Santos, mais conhecida como Bibi, da comunidade Lagoa dos Cavalos em Remanso, frisou que o momento mais marcante para ela foi a Matriz FOFA, quando foi possível observar os pontos que tornam a comunidade forte. “A fortaleza da comunidade e como o povo viu o tanto que a gente é forte, o tanto que a gente é importante e único”.

É importante destacar a participação efetiva das comunidades no diagnóstico comunitário, como aponta a colaboradora do Irpaa, Eleide Brito “Se inteiraram bastante com atividade, ainda não conheciam o diagnóstico participativo, mas mesmo assim a gente instigou e a comunidade participou bastante dentro de todas as ferramentas aplicadas”.

Durante a realização do diagnóstico comunitário também é interessante ressaltar a maior participação das mulheres e dos jovens das comunidades, como aponta o colaborador do Irpaa, Darlei Rodrigues. “A comunidade foi bastante participativa, principalmente as mulheres e jovens que são cadastradas no projeto. Tiveram uma participação belíssima, discutindo e problematizando várias ações na comunidade (…). A gente vai trabalhar pensando nessas medidas e o que a gente pode levar para melhorar o desenvolvimento da comunidade”.

Com as informações adquiridas através do diagnóstico comunitário participativo é possível nortear as ações do Ater Agroecologia em cada comunidade, pois elas possuem particularidades que devem ser consideradas para que as atividades seguintes estejam de acordo com cada realidade. Como aponta o colaborador do Irpaa, Alessandro Santana, “O diagnóstico comunitário participativo, é um espelho da realidade atual da comunidade. Então é como a gente vai observar a partir da escuta, por isso participativo, para nos ajudar a partir da escuta, como é a realidade, as relações existentes na comunidade, como eles se relacionam internamente e com os parceiros, e a partir disso ter uma visão de como avançar, de como seguir, como fazer assessoria. Então, na verdade, é um marco central que vai nos direcionar a continuar dando os próximos passos da assessoria, por isso a importância deste momento”.

O projeto Ater Agroecologia, financiado pelo Governo do Estado da Bahia, através da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) e a Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater) iniciou em setembro de 2020 e segue até setembro de 2023.

Texto e fotos: Eixo Educação e Comunicação
 


Veja também

< voltar    < principal    < outras notícias

Página:

Projeto agroecológico realiza diagnóstico comunitário participativo em comunidades rurais

Para:


Suas informações:



(500 caracteres no máximo) * Preenchimento obrigatório




Campanhas

Newsletters

Cadastre seu e-mail para receber notícias.

Formulário de Contato





Faça sua doação


Copyright © 2005 - 2009 IRPAA.ORG Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA
Avenida das Nações nº 04 - 48905-531 Juazeiro - Bahia, Brasil
Tel.: 0055-74-3611-6481 - Fax.: 0055-74-3611-5385 - E-mail: irpaa@irpaa.org - CNPJ 63.094.346/0001-16
Utilidade Pública Federal, Portaria 1531/06 - DOU 15/09/2006 Utilidade Pública Estadual, Lei nº7429/99
Utilidade Pública Municipal, Lei nº 1,383/94 Registro no CNAS nº R040/2005 - DOU 22/03/2005